ELN: ‘Brasil precisa ser eficiente e afetivo’, defende Luciano Huck

Durante I Encontro de Lideranças Nacionais, apresentador diz que o país está no começo do ciclo de renovação

O apresentador Luciano Huck afirmou, nesta sexta-feira (11), que o Brasil começou um movimento para renovar a política no País, durante o I Encontro de Lideranças Nacionais, em São Paulo. E defendeu que a grande meta desse novo ciclo é combater a desigualdade e romper com o sistema que a alimenta. “Estamos no começo de um ciclo da renovação na política. Agora ela não acontecerá nesta eleição. Tem dois, três ciclos pela frente. Mas temos que romper com o sistema que é feito para não ter renovação”, avaliou Huck.

Apoiador do RenovaBR, grupo de formação de novas lideranças, o apresentador disse acreditar em “um país aberto, polo de inovação”. “Mas se não tiver olhar para desigualdade, a vocação para o social, você não vai conseguir inserir as pessoas. Você não vai tirá-la do Bolsa Família”, exemplificou.

Huck reforçou que vai continuar viajando o Brasil todo buscando mobilizar pessoas e aproximá-las da política. Ele falou do êxito do projeto RenovaBR, que dá bolsas de R$ 5.000 a R$ 12 mil para interessados em disputar as eleições. Foram mais de 4 mil inscritos de todo o país e 130 nomes selecionados de todos os Estados.

Fundador do RenovaBR, o empresário Eduardo Mufarej avaliou que no Brasil “não existe formação de lideranças na política”. “Você tem  formação de médicos, mas não de políticos”, completou. “Não é óbvio alguém desejar disputar cargo eletivo, sobretudo quem tem opção (de ter outra carreira). É dificílimo. Estamos incentivando (com a bolsa) para que essas pessoas não desistam”, afirmou Mufarej. Para ele, há espaço para a renovação, mas o candidato precisará ter “capacidade de liderança, aglutinação e construção de ideias”.

A empresária Luiza Helena Trajano corroborou que a renovação nesta eleição será “mínima”. “Dificilmente se renova do jeito que está. O que vai funcionar (para mudar) é a sociedade civil se organizar. E ela quer participar. Chegamos no fundo do poço. Mas lá no fundo tem amor ao país”. A empresária, contudo, defendeu que a luta da sociedade pela renovação venha com atitudes práticas. E que tem feito sua parte, além de estar engajada no projeto Mulheres do Brasil.

O debate teve como mediadora a jornalista Mônica Bergamo e como condutor, o advogado Gustavo Bonini Guedes. O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), José Antonio Dias Toffoli, também se integrou ao debate.