ELN: ‘Fake news não preocupam’, afirma ministro do TSE Admar Gonzaga

Na mesa que tratou de “Diálogos sobre o Brasil: novidades e desafios das campanhas em 2018”, o assunto central foram as notícias falsas e o impacto  que  terão no processo eleitoral brasileiro de 2018

Para o ministro do Tribubal Superior Eleitoral (TSE) Admar Gonzaga, as notícias falsas não preocupam.  “As fakenews vão acabar por se resolver com tecnologia”, afirmou o ministro durante I Encontro de Lideranças Nacionais, realizado nesta sexta-feira (11) em São Paulo.

Na mesa que tratou de “Diálogos sobre o Brasil: novidades e desafios das campanhas em 2018”, o assunto central foram as notícias falsas e o impacto  que  terão no processo eleitoral brasileiro de 2018. Também participaram do debate o ex-ministro do TSE  Marcelo Ribeiro, o americano Arick Wierson, estrategista político de Michael Bloomberg, e o advogado Juliano Breda. A mesa teve moderação do advogado Luiz Fernando Pereira e condução da advogada Angela Cignachi.

Para Marcelo Ribeiro, o tema é presente e deve ser olhado com atenção. “Hoje, as fakenews conseguem ser direcionadas e quem mais compartilha são pessoas de bem”, afirmou. Ribeiro pontuou também que há na legislação brasileira dois artigos para proteção contra notícias falsas: “Um de direito de resposta e outro na área criminal”, afirmou, lembrando que cada um tem uma redação. No criminal, a redação é: “divulgar fato que se sabe inverídico. Ou seja, no (processo) criminal se exige um dono. Já no direito de resposta, isso não tem a menor importância”, disse, fazendo referência ao parágrafo da legislação, que fala do agravante, mas ainda não considera o agravante da internet. “A legislação não acompanhou”, completou.

“A grande dificuldade de controle dos órgãos de justiça é o Whatsapp, onde há a maior propagação de notícias falsa”, lembrou a advogada Angela Cignachi.

“As fake news estão em sua infância”, afirmou Arick Wierson. O estrategista das campanhas e das duas gestões de Michael Bloomberg na cidade de Nova York contou sobre sua experiência em algumas campanhas eleitorais que lançaram mão do bom-humor para conseguir chamar atenção. Wierson também passou um video mostrando como é possível falsear a fala de alguém, mostrando uma montagem em que a fala do ex-presidente Barack Obama foi modificada

Gonzaga também se mostrou preocupado com a discussão sobre o retorno do voto impresso no Brasil que, segundo ele, está sendo “impulsionada por interesses comerciais”.

O evento, organizado pelo BGA – Bonini Guedes Advocacia, também contou com as participações do apresentador Luciano Huck, do ministro do Supremo Tribunal Federal  (STF) Dias Toffoli, do ex-ministro da Defesa Nelson Jobim, da empresária Luiza Helena Trajano, do Magazine Luiza, entre outros.